"A situação vai ser avaliada com todos os prós e contras”

O presidente da Câmara Municipal de Belmonte revelou que os representantes de duas empresas contactaram informalmente a autarquia sobre a possibilidade de fazer prospecção de lítio no concelho. O autarca não escondeu alguma preocupação com os impactos para as populações que uma exploração desse tipo pode vir a causar.

“Houve já representantes de duas empresas que, informalmente, nos contactaram. Naturalmente que estou preocupado até porque tenho recolhido informação sobre o assunto, para se conseguir um pouco de lítio é preciso remexer muitas toneladas de terra. Tanto quanto eu sei, no nosso concelho onde poderá haver lítio é na serra do Colmeal e de Maçaínhas. Mas vamos esburacar a serra toda? Temos de aguardar serenamente, ver todos os documentos que vão saindo e só depois disso é que a situação vai ser avaliada com todos os prós e contras” refere o presidente da Câmara de Belmonte.

António Dias Rocha garante que a autarquia de Belmonte só vai dar parecer favorável a uma situação desse tipo caso o bem-estar das populações fique salvaguardado e o município seja muito bem compensado pelo Governo, “para a Câmara de Belmonte poder estar interessada em ter uma estrutura deste tipo tem de ser muito bem compensada. Parece-me que o Governo está a equacionar isso e as autarquias que aceitarem terão de ser compensadas, mas não podemos esquecer nunca que em primeiro lugar estão as pessoas e o seu bem-estar”.

O autarca garante que vai acompanhar os novos desenvolvimentos em torno desta situação, uma vez que o concelho de Belmonte está incluído nos planos de prospecção que foram publicados em Diário da República nas últimas semanas através da Direcção Geral de Energia e Geologia.

Recordo-lhe que na região, uma empresa australiana recebeu autorização do Governo para fazer, durante cinco anos, prospecção de lítio numa área que corresponde a “quase metade” do território do concelho da Covilhã e se alarga aos municípios do Fundão, Penamacor e Idanha-a-Nova, numa extensão de 462 quilómetros quadrados. O aviso foi publicado a 10 de Abril em Diário da República.